fbpx
Xbox Game Pass Ultimate: Inscreva-se por R$1

Em um encontro – para jornalistas de videogame experimentarem o novo Halo 5: Guardians – a Gamespot conseguiu uma bela entrevista com o nosso querido Phil Spencer. Se preparem para um interessante texto, onde eles falam não só de Halo mas também da visão para o Xbox.

“GameSpot: Ok, então nós estamos aqui para falar sobre Halo. Na realidade, você já jogou muito dele? Você consegue jogar muito dos seus jogos na sua posição?

Phil Spencer: Sim, no meu escritório eu tenho acesso à maioria dos protótipos dos jogos, em que nós podemos jogar em diversos estados [do desenvolvimento]. Eu faço revisões com os grandes times. Era onde eu estava essa semana – com a Coalition dando uma olhada em Gears of War 4. Eu nem sempre vejo o jogo inteiro porque, geralmente, o que estamos tentando fazer é dar uma olhada em alguns cantos, eu dou algum feedback nas coisas que vejo, e o time apenas quer ver minha reação a certas coisas.

Na sua posição, qual o tipo de feedback que você passa?

Você pode perguntar à equipes o tipo de feedback que eu dou (risadas). A área onde eu acho que eu mais ajudo é na horizontal, porque eu vejo o que todos os times estão fazendo, enquanto os times, por necessidade, vão na vertical muito rápido com as suas coisas. Veja Josh Holmes (presidente do estúdio de Halo), que está aqui. Eu provavelmente joguei mais de Forza e Tomb Raider do que ele, porque ele está finalizando o seu jogo. Então eu estou sentado e jogando Halo 5, e tenho a noção de não apenas falar “Ei, isso é o que os outros times estão fazendo” já que isso não é benéfico, mas ao menos [dizer]qual talvez seja a expectativa e onde o patamar de inovação está, e tento passar mais do contexto do ambiente em que o jogo será lançado, porque eu vejo muito do que acontece nos lados do first-party e do third-party. Eu tenho que ter cuidado, porque meu trabalho não é espalhar o que as outras equipes estão fazendo. As equipes querem seus segredos, mas é aí onde eu vejo que meu feedback é mais valioso, já que eu estou jogando tantas coisas diferentes que ainda não estão prontas eu posso ajudar as equipes com esse contexto.

Você acha que a franquia [Halo] ainda tem aquele peso, aquele provimento para o Xbox One? Você acha que ainda vai ter aquele grande impacto no sucesso do Xbox One?

Eu acho que vai. É a nossa maior franquia exclusiva. Não existe dúvidas sobre isso. A melhor coisa sobre os negócios em videogames é que você ganha seu público a cada lançamento, e com a comunidade e a [mídia] social, as pessoas descobrem muito rápido se um jogo vale a pena jogar ou não. Você tem que merecer toda vez. Não tem nada de graça. Eu me sinto muito confiante no trabalho que a equipe da 343 fez.

Nós vamos criar um grande momento desse lançamento no jeito em que vamos colocá-lo no mercado. Você se lembra de Halo 2, 3 e 4? Aqueles foram grandes momentos de entretenimento, então nós vamos fazer a mesma coisa aqui, porque é uma franquia que eu acho que consegue suportar esse nível de notoriedade e exposição. Eu me sinto muito confiante no jogo que a equipe construiu. Eu acho que eles realmente, realmente, fizeram um bom trabalho com Halo 5.

Para algo como Halo, vocês passam anos entre os grandes lançamentos. Vocês já consideraram diminuir esse espaço de tempo e lançar mais Halos? Já pensaram em ter Halo como uma franquia anual?

Eu não penso dessa forma. Curiosamente, nós provavelmente lançamos um Halo por ano nos últimos tempos, mas esse tem sido o ritmo da coisa, com jogos como Spartan Assault e Spartan Strike, e obviamente o Master Chief Collection, e as edições de aniversário. Mas em termos dos nossos lançamentos principais, Halo é de uma forma único se comparado com esses outros jogos que falamos, em termos de possuir personagens densos e uma base na história. Eu acho que esse é um dos verdadeiros pontos fortes da franquia. As pessoas conhecem os personagens pelo nome. Eles sabem quem o Master Chief é. Eles sabem quem Cortana é. Isso nem sempre é verdade em outras franquias de tiro, ter essa mesma conexão com os personagens da história, e ter essa consistência e camada de conectividade entre os jogos.

Para mim, eu gosto de ver essa habilidade de ficarmos animados com um lançamento. Isso meio que cria um hype, e então ele se intensifica. Eu não quero jogar demais ou usar demais a franquia. Essa é uma franquia e um IP que eu espero que esteja por aí daqui a 20 anos, da mesma maneira que Star Wars e o Homem Aranha e outras coisas estão. Eu acho que ele tem o peso para suportar isso, mas eu acho que a franquia precisa ser gerenciada de um jeito que seu fogo não se extingua.

Eu acredito que você é lembrado por dizer que é um fã de Destiny. Tem alguma coisa que você está vendo no modelo deles que você está querendo ver em Halo? Tem algum tipo de ensinamento que você pode tirar deles?

Eu aprendo com muitos jogos e estúdios. Obviamente o time da Bungie são grande amigos meus. Eles vivem na mesma cidade que eu, e eu vejo muito eles. Uma das coisas que eu sempre amei em jogos, e algo que eu sempre empurro mais nas nossas equipes agora, é co-op. Eu simplesmente amo co-op como um modo de jogo, talvez por eu ser um lixo no PVP. Eu acho divertido. Você e eu sentados no sofá lado a lado, ou você em sua casa, eu na minha, e as pessoas jogando juntas.

Por isso que eu amei Gears of War na época do primeiro lançamento, porque tinha isso. Co-op era a base do que ele era. Eu amo ver a natureza do co-op em Halo 5. Mesmo algo como Warzone parece menos só PVP, porque os times são tão grandes e os espaços imensos, e tem coisas de PVE que você pode fazer nesse ambiente. Para mim, Destiny fez um ótimo trabalho. Eu dificilmente jogo PVP em Destiny. Eu passo a maior parte do tempo, como as pessoas que me assistem jogar percebem, nos ambientes PVE. Eu amo essa natureza do co-op. Eu estou jogando agora Lovers in a Dangerous Spacetime, um pequeno jogo do ID@xbox que lançou. Eu amo esse jogo. São duas pessoas sentadas juntas, uma pessoa controla a nave, outra pessoa controla as ações da nave, e eu amo essa mecânica. Eu acho que jogos deveriam ser mais sobre se divertir, e eu acho que jogar cooperativamente é uma ótima maneira de se divertir quando o jogo é feito do jeito certo. Eu amo ver o que eles fizeram em Halo, e eu amo, obviamente, o que fizeram em Destiny em relação a realmente acolher esse lado da coisa.

Falando de co-op, não tem co-op local para esse Halo.

Está correto.

Você pode nos dizer os motivos que os levaram a seguir por esse caminho?

No final, as equipes fazem suas decisões baseadas no objetivo que eles querem atingir em termos de complexidade que eles vão executar naquela única caixa. Nós vemos a robustez da Xbox Live que temos hoje e onde as pessoas estão jogando através da Xbox Live – você na sua casa, eu na minha casa. Nós sabemos que esta é a vasta maioria do jogo em co-op. Com Halo 5, a equipe realmente queria focar em fazer uma ótima experiência, tanto visualmente na tela que você está olhando, quanto no sistema. Enquanto eu amei a tela dividida de Halo 1, obviamente foi meio que onde o multiplayer de Halo nasceu, eu acho que a equipe fez uma decisão baseada no que eles vêem acontecendo no mercado hoje e no que eles queriam fazer com o jogo.

OK, é interessante escutar você dizer que os dados mostram que a maioria do co-op acontece atráves da Live. É isso mesmo?

Bem, nós obviamente não sabemos das máquinas que não se conectam, mas sim. Quando você olha onde a maioria do multiplayer acontece em jogos, a Live (é o lugar) porque é muito prático. Eu não preciso que alguém venha a minha casa. Eu amo a nostalgia do co-op de sofá que Halo teve no passado, mas eu também sei da realidade do dia a dia atarefado da vida das pessoas, não é tão fácil reunir todo mundo no mesmo espaço físico. É uma das vantagens que a Xbox Live obviamente oferece.

Agora, você tem sido bem enfático sobre tentar acolher os jogos no PC, principalmente agora com o lançamento do Windows 10. Existe qualquer notícia sobre Halo 5 possivelmente chegando ao PC no futuro, ou algo como o Master Chief Collection? Quais a novidades sobre isso?

A coisa que eu quero ter certeza de fazer é de falar de algo que eu sei que vai acontecer. Eu tento não entrar nesse mundo de quando eu não sei o que irá acontecer. Halo 5 será lançado para o Xbox One. Esse é, honestamente, 100% do nosso foco. Nós queremos fazer com que seja uma ótima experiência no Xbox. As pessoas talvez irão, através do streaming, jogar em seus PCs, mas isso não é “Windows gaming”. É uma extensão do que você faz com o Xbox. Para nós, quando olhamos para o Windows e temos certeza que nossas franquias first-party aparecem lá e começamos a criar um ambiente unificado para nossos clientes da Xbox Live, entre Xbox e Windows, [isso]é importante para nós. É por isso que quando equipes estão começando seus projetos e você olha para eles e ambas essas plataformas de jogo, tanto o PC e o console, fazem sentido, eu planejo que iremos acolher isso. Eu quero que isso faça parte do que estamos fazendo.

No passado, nós meio que pensávamos em manter os jogos fora do Windows como uma espécie de maneira de fazer as pessoas comprarem um Xbox. As pessoas vão comprar um Xbox pela proposta completa de valor de jogar seus jogos na sua televisão com o controle, olhando para a tela, com o som e tudo mais que acontece ao redor disso. Eu quero ter certeza que essa experiência será ótima. Nós estamos 100% focados nisso com a equipe, e quando nós temos experiências que podem funcionar bem no Windows, eu quero fazer isso. Eu quero permitir que as pessoas joguem lá também. Como eu disse, anteriormente, nós estamos fazendo a maioria desse trabalho através do streaming, que eu não irei dizer que é “Windows gaming”, mas ele já permite a algumas pessoas a jogarem seus jogos de Xbox lá. Você vai ouvir mais e mais de nós anunciando jogos onde nós olhamos para o ambiente do Windows, e nós olhamos para o ambiente no console, e concluímos que o jogo irá funcionar bem em ambos os lugares.

A demonstração do “Halo Lens” na E3 foi incrível. Quais são os seus planos para incorporar o HoloLens em Halo no futuro? Ou aquilo foi apenas uma demo para mostrar o potencial?

Tudo foi uma demo, mas eu irei dizer como criadores, como temos toneladas de pessoas na organização, e quando algo como HoloLens surge, eu quero ter certeza que isso chegue às mãos das nossas pessoas mais criativas e ver o que eles criam com isso. Nós não temos nada para anunciar ou, francamente, nenhum plano para algum jogo usando nada, até as coisas de Minecraft que mostramos, que praticamente pareceu um jogo completamente pronto, foi na verdade apenas a equipe colocando as mãos no dispositivo e pensando no que poderia ser possível. Nós ainda estamos nessa fase de ideação do que poderia acontecer, do que pode ser possível. O dispositivo ainda não foi lançado. Eu imagino que as primeiras unidades irão para desenvolvedores que construirão algo. Eu acho que vai demorar um tempo antes de vermos isso como um dispositivo de consumo em massa no mercado, mas eu amo as ideias que as equipes estão tendo. Eu acho que é muito leviano dizer que tudo não passava de demos, mas de jeito nenhum eu quero dizer, “Ei pessoal. Tem um jogo de Halo vindo para o HoloLens”, porque isso não está lá. Eu acho que as ideias que irão aparecer serão realmente extraordinárias de acompanhar em alguns poucos anos.

Eu não acho que já tenha lido suas opiniões sobre o futuro da Realidade Virtual (VR) e Realidade Aumentada (AR). É esse o futuro, você diria? Os jogos estão inevitavelmente indo na direção onde essas tecnologias serão uma parte essencial do que fazemos nos jogos?

Bem, agora é apenas minha opinião. Eu devo dizer que, obviamente temos relacionamentos com a Valve, nós temos relacionamentos com Oculus em termos do trabalho com VR que eles estão fazendo, mas eu vou dizer que eu meio que espero que não. Não significa que eu não ache que VR possui grandes experiências a oferecer. Eu acho que tem, e nós vamos encontrá-las, e as pessoas irão amar jogá-las. Eu amo jogar videogame na minha sala de estar com minhas crianças. Eu amo as pessoas se juntando e assistindo o que está acontecendo na tela e rindo, e o tipo de diversão que sempre foi inerente aos videogames. Isso não significa que não pode acontecer em um ambiente VR meio que socialmente conectado, mas para mim seria muito ruim se jogar se tornasse pessoas com dispositivos montados na cabeça, usando fones de ouvido, meio que bloqueados a tudo que está acontecendo. Eu realmente acho que existirão grandes experiências lá, mas apenas por uma questão do que jogar representa, eu não acho que deva ser a única maneira das pessoas jogarem.

Eu acho que terão certas experiências onde [VR] será perfeito, eu não sei se será necessariamente baseado em gênero. Mas eu apenas amo assistir você jogar Mario e te dar ideias de onde pode ter algo, e nós rimos, e nós meio que podemos sentar e comer salgadinhos e fazer os que as pessoas fazem. Eu acho que essa é base do que é jogar. Eu acho que tem um lugar para VR. Eu acho muito legal ver inovações, como muitas outras inovações do passado. Jogar está [apenas]ganhando uma posição de destaque, porque VR irá se estender a mais coisas que apenas jogos. Hologramas e AR eu vejo como um espaço mais complexo, mas de novo, você irá encontrar jogos lá expandindo a tecnologia como já aconteceu em várias outras áreas.

Existe qualquer tipo de notícia sobre as produções de outras mídias de Halo, como o seriado de TV por Steven Spielberg? Tem algo a mais que você possa falar sobre isso?

No momento não. Eu irei dizer que estou incrivelmente orgulhoso do trabalho que tanto as equipes quanto os criadores estão fazendo nos livros que lançam, nos vídeos e no trabalho para a TV que está acontecendo. Como eu disse antes, eu acho que Halo é uma dessas franquias, ou mundos, que conseguem suportar esses holofotes e destaque em várias mídias diferentes. Eu acho isso ótimo. Isso trás mais pessoas para o universo de Halo. Pessoas que talvez não queiram jogar um videogame podem experimentá-lo. Isso é definitivamente parte do nosso futuro com a franquia, em termos de continuar crescendo, mas não tenho nenhuma novidade no momento.

No seu tempo como presidente da Xbox, eu acho que, você foi caracterizado pelo seu foco em jogos. Você realmente queria trazer todo o foco de volta para o que o console realmente é, que são jogos. Você acha que já conseguiu passar essa mensagem com sucesso? Você está confortável com o lugar que o console está agora, em termos da ampla percepção dos jogadores que estão por aí a fora?

Estou confortável com onde estamos agora? Não. As equipes escutam isso de mim o tempo todo, porque tem tanto mais que eu acho que podemos fazer, e a equipe é tão capacitada para fazer que é… Tem tanta energia quando nos sentamos [para conversar]. Existe um grande nível de energia e de foco onde nós queremos ir e onde nós podemos ir. A percepção e reação da comunidade, os fãs do Xbox se mantiveram conosco num momento em que eu acho que eles se questionaram sobre o caminho que a marca e a equipe de liderança estavam tomando. Eles me apoiaram. Eles me deram o feedback enquanto eu transitava para um novo papel, e eu sou incrivelmente agradecido por isso. Seja no Twitter, na Xbox Live, na minha caixa de mensagens, as conversas que tive com as pessoas e o seu feedback, eu acho que ainda temos muito trabalho a fazer. A ótima coisa acerca de jogadores é que eles te darão feedback.

Eu amo isso, e eu acho que dá para sentir que o povo renovou sua fé na marca, o que é ótimo de ver, mas eles querem que façamos mais. Na página de feedback, e em outros lugares onde nós solicitamos um feedback direto nas coisas que devemos fazer, tudo está sempre aceso [cheio de movimento]. Eu acho isso fantástico.

Mas o que tira o seu sono a noite? Qual é a próxima coisa que você realmente quer enfrentar?

Eu já disse uma vez, a única coisa que eu provavelmente acho um pouco detestável no que abrange os jogos é a divisão que as pessoas tentam construir entre plataformas. Isso se torna mais sobre qual pedaço de plástico eu possuo do que os jogos que estou jogando. Isso se torna mais sobre outra pessoa falhando do que as coisas que eu amo tendo sucesso. Eu não acho que seja um bom lugar para a nossa indústria. Eu sei que não é todo mundo, e que é fácil aceitar e meio que achar que isso é como jogos são, mas eu não vou acolher essa ideia. Eu irei ativamente combater isso. As pessoas as vezes tiram sarro de mim porque eu mencionei a Sony ou mencionei a Nintendo. Não é para apaziguar ninguém ou fazê-los pensar que eu sou um tipo de cara bonzinho. Meu trabalho não é manter você de comprar outra coisa. Meu trabalho é te manter orgulhoso com o que nós temos a oferecer, e te dar uma experiência prazerosa com o produto que temos. Esse é 100% do meu foco.

As coisas que tiram meu sono são todas sobre isso, e uma ótima coisa sobre essa indústria, como eu já disse várias vezes, é que você tem que merecer cada cliente. Não tem nada que eu possua que te obrigue a comprar Halo. Você está comprando Halo porque você ama isso, ou você não está comprando porque você não ama. Essa é uma parte fantástica da indústria em que estamos, e eu apoio isso completamente. Eu estou tentando manter nossa organização, e esperançosamente os nossos fãs, fora desse tipo de coisa (da divisão de plataformas), porque eu acho incrivelmente prejudicial a saúde da nossa indústria.

Bem, já que você mencionou, você tem essa reputação de ser o cara legal da indústria. Você não tem nada negativo ou mesmo passivo-agressivo para dizer sobre seus competidores?

Eu não sei se isso é… legal. Primeiro, eu conheço a maioria dessas pessoas, e eu sei que eles trabalham muito duro. Eu conheço os estúdios, eu conheço os presidentes dessas organizações, eu não quero… não é meu trabalho pensar sobre como as outras pessoas podem falhar. A coisa que eu irei dizer sobre nós, o Time Xbox, e o que nós estamos tentando fazer é que nós trabalhamos para uma companhia na Microsoft que não é dirigida a esse espaço de ir dominar alguém ou tentar tirar outra pessoa [do mercado]. A razão pela qual Satya (Satya Nadella, CEO da Microsoft) está interessado em jogos, a razão pelo qual o Windows 10 se focou no consumidor e em jogos tão predominantemente agora, é que nós vemos oportunidade. Nós vemos a oportunidade de deleitar os nossos consumidores, de dar a eles mais motivos para se engajar com a plataforma que temos, e tudo é realmente apenas sobre essa oportunidade ainda não realizada a nossa frente. Então as pessoas mencionam, “Bem, e quanto a Nintendo? E quanto a Sony? Não é ruim que a Sony está vendendo um monte de PlayStations 4 no momento?”, eu honestamente não sinto que é algo tão ruim.

Eu amo que estamos vendendo um monte de Xboxs One. Eu amo que estamos vendendo mais Xbox One do que vendemos o 360, e nós estamos crescendo ano a ano… todos esses dados de relações públicas que eu poderia dizer agora, e eu amo que temos mais pessoas na Xbox Live do que jamais tivemos. Provavelmente, a coisa em que eu estou mais focado é nas pessoas que temos na Xbox Live e em quão felizes eles estão com o que estão fazendo. Eu não sei se isso faz de mim um cara legal. Eu só não vejo nenhuma razão em ir atrás de alguém e ser rude com uma pessoa que está apenas tentando fazer um bom trabalho com o produto que estão construindo.

Phil, obrigado pelo seu tempo.

Obrigado a você.”

Compartilhar.

About Author

Gamer desde criança, na época em que possuía um Master System III. Adoro jogos com uma história que te faz pensar após a diversão, como Bioshock, Alan Wake e Halo.

Powered by keepvid themefull earn money