fbpx

A Bethesda Game Studios resolveu inovar na série pós-apocalíptica Fallout, que é muito conhecida pelo seu singleplayer único, apresentando Fallout 76, que se trata do primeiro jogo da franquia totalmente online. E todos sabemos que com inovações vem os riscos, e agora que o jogo já foi lançado, será que valeu o risco de trazer o Fallout para o online?

Pra começar esta análise, gostaria de deixar claro o compromisso e transparência do site para com seu leitor. Não, eu não zerei o jogo. Mesmo que “zerar” nem seja de alguma forma possível (já que o jogo não te obriga seguir uma linha de missões principais), é interessante que o leitor saiba isso de antemão. Joguei pouco mais de 20 horas, com amigos, com desconhecidos, sozinho, fazendo missões principais e secundárias. Dito isso, vamos a análise:

Este é o menu do jogo

Me aventurando pelos ermos, tentando pelo menos

Fallout 76 conta a breve história do primeiro Vault que foi aberto. Os vaults foram criados para abrigar os humanos não envolvidos com a Grande Guerra, nome dado ao conflito que deixou o mundo todo em um colapso nuclear. Digo “breve história” porque é apenas isso que você tem de palpável, pois assim que você sai do vault o resto é contigo. Você pode seguir os rastros da supervisora do Vault 76 (que saiu antes de você) ou simplesmente trilhar seu próprio caminho, seja para reconstruir a América ou pra se tornar mais um sobrevivente. Não há uma forma correta de jogar e, se pra cada pessoa que estiver jogando você perguntar, a resposta será diferente por motivos diferentes. No entanto, essa “falta de direcionamento“, pode afastar alguns jogadores, principalmente os que estão acostumados com os outros jogos da franquia. Por mais que RPG seja você moldar sua própria história, os jogos trilham caminhos que você decididamente precisa percorrer e por mais que você escolha ser “bom” ou “ruim“, o jogo irá te levar ao final, moldando-se ao seu caráter escolhido, como vimos nos Fallout anteriores, por exemplo.

Porém, não espere que Fallout 76 te pegue pela mão e diga o que você deve fazer, isso não vai acontecer. O tutorial do jogo é bem brando, suave e te leva pela primeiras missões do jogo… mas você pode ignorá-las assim que sair do Vault 76. Em minutos, você vai se sentir tão sozinho, a ponto de se perguntar “Meu Deus, o que eu estou fazendo aqui?

Status negativo pra todo lado

Com os amigos? Melhor

Você pode jogar com amigos e esta foi a forma que eu pude encontrar diversão em Fallout 76, por mais que ainda esteja muito longe da diversão que eu gostaria de encontrar. Explorar com um amigo é muito mais interessante, pois você pode pedir pra proteger a retaguarda, enquanto você limpa uma área. Invadir um forte de super mutantes, e com os dois juntos é muito maior a garantia de obter sucesso. No entanto, mesmo desta forma, é difícil manter empatia pelo jogo. O seu avanço na história não é compartilhado com outros jogadores. Vocês precisam estar exatamente fazendo a mesma missão, somente assim.

A jogabilidade não apresenta nenhuma inovação frente ao que foi visto em Fallout 4, mas apresenta novas mecânicas de sobrevivência, com as quais você precisa sempre estar alerta, e que na maioria das vezes vai te aborrecer um bocado. Você pode sentir fome, sede e contrair doenças durante sua jogatina. Isso irrita, pois muitas das vezes você está preocupado com outras coisas e, por vezes, precisa desviar seu caminho porque você precisa encontrar água. Você precisa comer. Eu nunca fui fã de jogos com fatores de sobrevivência e estava disposto a enfrentá-los em Fallout 76, mas o jogo desestimula. Raramente você está “tranquilo” quanto a seu status. Você sempre terá algo negativo nele. Seja fome, seja sede, seja doença… é muito comum você ter tudo isso de uma única vez. E isso tudo enquanto você luta com hordas e hordas de inimigos que dão respawn na sua frente, descaradamente. Falta água, falta comida, falta munição, falta diversão, falta conteúdo, falta empatia… falta muita coisa neste jogo.

A mecânica de sobrevivência não está sozinha e você tem também o desgaste das armas. É muito comum você ter uma arma em boas condições e nenhuma munição pra ela. Ou ter muita munição e nenhuma arma boa. Ou ter os dois e não ter nível suficiente pra usar. Acontece, infelizmente com uma frequência estranha. As cartas de nível (as famosas S.P.E.C.I.A.L.) podem melhorar seu fator sobrevivência, com perks específicos, mas o sistema mudou para este jogo e trouxe mais dúvidas do que certezas.

Alguns locais do jogo são bem trabalhados e outros nem tanto, destoando muito

Gráficos e som, esse jogo deve ter algo de bom

Os gráficos do jogo não fazem jus a esta geração e por mais que Fallout 4 também não fizesse, aqui precisamos levar em conta o tamanho gigantesco do mapa e o fato de ser online. Porém, tudo o que temos é isso mesmo. O jogo é mais colorido que o anterior e isso se dá claramente ao local que este se situa, sendo West Virginia o local protagonizado por Fallout 76. Mesmo sendo colorido, mesmo mostrando bem os ghouls, criaturas horrendas do jogo, você sente como se faltasse algo neste jogo. Ainda mais se você já tiver se divertido em Forza Horizon 4 e Red Dead Redemption 2, dois jogos que foram lançados pouco antes deste e apresentam gráficos incríveis. Tudo o que eu vi aqui, eu me lembro de ter visto nos jogos anteriores. Isso pode ser muito bom para alguns jogadores e péssimo para aqueles ávidos por novidades.

Lembrando que Fallout 76 é uma prequel, ele se passa antes de Fallout 3, Fallout New Vegas e Fallout 4.

O mapa é muito grande e bem variado, as missões principais poderiam seguir a mesma linha

O som do jogo traz uma boa ambientação e alguns sons causam até medo. Você ouve inimigos a distância, você pode ouvir música no seu Pip-Boy (que já é marca registrada da franquia, com excelentes músicas de época), o som das armas e as músicas que tocam durante o combate. A julgar pelo som, é legal estar em Fallout 76. Junto do matchmaking, é um dos poucos pontos positivos desse jogo.

Conclusão

São poucos os jogos que eu não consigo avançar por falta de interesse e diversão. Zerar esse jogo se tornou um objetivo inalcançável para mim, devido sua completa e inigualável chatice. É complicado fazer essa afirmação de um jogo que carrega o nome “Fallout” na capa mas, foi inevitável. As missões são muito sem graça e apresentam um conteúdo tão profundo quanto um pires, fazendo você desistir de segui-las no momento seguinte que as iniciou. Andar a esmo deve ser o maior proveito do jogo mas precisa de muita boa vontade para pagar 200 reais (nesse momento o jogo está em promoção) e ficar andando a toa.

Não tem como você ter empatia pelo jogo, quando você simplesmente não conversa com ninguém. O jogo todo é contado através de holodiscos e terminais que você acessa. Por mais que você tenha esse tipo de abordagem em jogos anteriores, não dá pra levar um jogo inteiro dessa forma. Beira ao descuido, pra não usar a palavra relaxo. Você vai ‘ir e vir‘ tantas vezes por tantos lugares que você irá se sentir um carteiro no jogo.

Em tantos outros jogos você faz isso, de forma subliminar, sim. Mas por você ter contato com outros seres, sejam eles da sua raça ou de outra, você acaba criando uma empatia por aquele ser. Por mais que seja uma missão “leva e traz“, você faz isso porque se importa com aquele ser. Ou se importa com o que ele tem para te oferecer em troca. Em Fallout 76 não dá pra criar empatia por um terminal, que o máximo que vai lhe oferecer é um local pra ir, onde haverá outro terminal que irá te apontar outro local. Repetidamente.

Se fosse qualquer outro jogo, isto seria de alguma forma aceitável. É meio perturbador ver isso em um jogo da franquia Fallout. O sistema de evolução é falho e pouco explicado, você precisa mesmo entender as cartinhas e sua necessidade para com elas, uma vez que você pode alterar o tempo todo. Até mesmo essas cartas tem níveis. O sistema usado em Fallout 4, que na época já era meio poluído e desinteressante de entender, se torna tão fácil e muito melhor de usar se comparado com Fallout 76.

Um dos inúmeros bugs do jogo, o personagem após sair da Power Armor, mantém essa aparência física hilária

Vocês perceberam que em nenhum momento desta análise eu falei sobre performance técnica do jogo? Pois então, somado a todos estes defeitos do jogo, você pode ainda considerar quedas de servidor, erros de carregamento, delay de texturas, inteligência artificial que desliga, inimigos que respawnam sem o menor critério, inimigos que somem, inimigos que são invisíveis sem explicação… são tantos os motivos para não jogar esse jogo que eu não faço idéia por qual motivo a Bethesda ainda assim o lançou. A pergunta que fica é: Quem pediu por um Fallout online?

Você pode desconsiderar completamente minha análise baseado no fato de eu não ter zerado o jogo… mas, estou sendo sincero em dizer que, por estas 20 horas, eu não recomendo este jogo a ninguém. Da forma como está, o jogo não me entregou nenhum momento de diversão que valha seus 200 reais de lançamento. Lembrando que, o site recebeu uma cópia e portanto, eu não paguei pelo jogo. Ainda assim, por caráter informativo de ato transparente, preciso ponderar por todos aqueles que investiram seu suado dinheiro nesse título e o jogo ser assim tão pobre, tecnicamente dizendo. Neste momento, não vale a pena adquirir Fallout 76. Mesmo na promoção vigente do momento (sim, o jogo entrou em promoção com menos de 01 semana de lançamento).

Eu pretendo futuramente fazer uma outra análise, pois, segundo algumas afirmações da própria Bethesda, o jogo terá continuas atualizações e quem sabe assim, o jogo melhore de certa forma. Pelo momento, não dá. Eu desisto temporariamente dele.

Entenda nossas notas

Clique e confira na Microsoft Store

Compartilhar.

About Author

Eu sou um cara muito simples: Eu vejo Halo, eu dou Like. Me adiciona na Xbox Live, minha gamertag: Vingador Brambz

Powered by keepvid themefull earn money