fbpx
Xbox Game Pass Ultimate: Inscreva-se por R$1

Hellpoint é um RPG de ação produzido pelo pequeno estúdio canadense Cradle Games. O jogo é mais um a beber da fonte de Dark Souls, mas apostando em uma ambientação bem diferente. Em um futuro distante, as coisas acabam dando muito errado em uma estação espacial, e o jogador deverá usar todas as suas habilidades para sair vivo desta. Confira o que achamos deste souls-like no espaço.

Perdido no espaço

Quase como uma regra no gênero souls-like, o início da jornada sempre carece de informações. Em Hellpoint, o jogador assume o papel de um ser conhecido apenas como criação, um tipo de humano criado genéticamente. Após acordar de sua hibernação, uma voz do além conta brevemente a situação.

Estamos na estação espacial Irid Novo. Você foi criado como uma raça superior com o objetivo salvar a estação de uma iminente catástrofe. Com isso, podemos sair explorando Irid Novo para descobrir o que diabos aconteceu ali.

Infelizmente, não demora para descobrirmos que a coisa deu ruim de verdade. As pessoas enlouqueceram e começaram a se matar. Criaturas demôniacas rondam os corredores da estação. Para fechar com chave de ouro, até a IA quer acabar com nossa raça. Sim, sobreviver não é uma tarefa fácil.

Desgraças a parte, Irid Novo esconde muitos segredos. Conforme investigamos cada setor da estação, descobrimos que naquele local ocorriam vários experimentos, no mínimo, controversos. A busca por uma raça perfeita. Rituais envolvendo sacrifícios de inocentes. A parada era realmente sinistra.

Como um bom souls-like, nenhuma informação é dada de mão beijada. Você precisa procurar bem cada canto de Irid Novo, ler anotações, achar mensagens escondidas, e conversar com outros sobreviventes. Com base no que você descobrir, diversas situações obrigarão você a realizar uma escolha e decidir o desfecho de Hellpoint.

Sci-fi Souls…

Logo que começamos nossa aventura, fica fácil perceber as mecânicas de Dark Souls dentro de Hellpoint. Barra de vida, vigor e magia. Comandos como ataque forte, fraco, rolar e correr. A evolução de seu personagem é a mesma. Você possui vários atributos para gastar seus pontos de habilidade e moldar seu personagem no estilo de jogo que mais combina com você.

Você pode tornar seu personagem um verdadeiro tanque, aumentando sua força para usar armaduras pesadas para uma defesa elevada e usar enormes armas para golpes devastadores. A inteligência vai lhe permitir usar artefatos mágicos para ter a vantagem de atacar a distância. Ou, como eu, aumentar a destreza para ser extremamente ágil.

Para subir de nível, é preciso reunir axions, que á a experiência de Hellpoint. Você consegue axions de itens espalhados no cenário e derrotando inimigos. Seus axions só podem ser usados em fendas temporais, que são os checkpoints do jogo. Então, muito cuidado para não acabar morrendo com muitos axions acumulados, pois você terá de recuperá-los no ponto onde seu personagem caiu. Se você morrer e não conseguir recuperar os axions, os mesmos serão perdidos para sempre. Snif.

…Mas com sua originalidade

É claro, mais que um copiar e colar, a Cradle Games adicinou mecânicas que agregam a experiência de Hellpoint. É o caso dos omnicubos, pequenos cubos voadores que servem quase como um Fantasma de Destiny. Eles estarão sempre ao seu lado e, dependendo do tipo que você estiver usando, poderá iluminar locais, atacar, curar, entre outras funcionalidades.

O método de cura de seu personagem é um pouco diferente também. Você possui uma seringa para curar com um número de cargas. Uma vez que todas as cargas forem usadas, só há duas formas de restaurá-las. Morrendo e voltando para a última fenda temporal, ou atacando seus inimigos. A segunda opção é bem interessante, pois obriga o jogador a batalhar para poder se curar. A não ser, é claro, que perder seu progresso e voltar para o última fenda esteja tudo bem.

Falando em morte, recuperar seus axions também não é tão simples. O local onde seu personagem caiu é vigiado por um fantasma de seu personagem. Ele estará com os mesmos atributos e equipamentos que você, e fará de tudo para impedir você de recuperar seus axions. Aí fica a sua escolha, recuperar seus axions e evitar uma árdua batalha, ou tentar derrotar seu fantasma e ganhar quase o dobro destes axions. Tentador, não?

Inferno espacial

Um dos pontos que mais se destaca em Hellpoint é sua ambientação. A parte gráfica não é lá o ponto alto, é verdade, mas o conjunto da obra se sai muito bem.

Irid Novo é uma estação enorme, com várias sessões e corredores. Como as coisas deram muito errado, você encontra uma iluminação precária, com vários locais sombrios. Locais onde se escondem diversas ameaças. É preciso estar atento com o que está em sua volta, seja observando tudo ao seu redor ou escutando aos ruídos. Você pode estar sozinho e ter dado cabo de todos os ínimigos de uma determinada área, mas é só relaxar, e uma criatura pode sair de uma tubalação e te atacar.

Falando nas criaturas, o jogo oferece uma boa variedade de inimigos. Sejam outras criações corrompidas, robôs ou demônios que parecem ter saído diretamente de DOOM.

A Cradle Games ainda adicionou um tempero especial. Irid Novo fica próximo a um buraco negro. Além de ser uma bela paisagem, ele tem papel fundamental nos acontecimentos da estação. Um pequeno relógio localizado no canto superior esquerdo da tela indica em que parte da órbita do buraco negro a estação se encontra. Em determinados momentos, o buraco negro abrirá portais para mais demônios e mini-chefes invadirem Irid Novo. Em outros ponto da órbita, o buraco negro abrirá portas para locais até então secretos.

É uma ótima sacada, que aumenta ainda mais o valor da exploração do cenário do jogo.

E apareceram os problemas

Estava tudo indo bem em minha aventura por Hellpoint. A jogatina era prazerosa, com tudo rodando lisinho. Mesmo parecendo datado, pois em muitos momentos me senti como se estivesse jogando o primeiro Dark Souls. Mas não demorou para aparecerem os primeiros problemas.

O jogo começou a sofrer com quedas de frames, com uma performance sofrível em alguns cenários. Isso rodando no Xbox One X. Até poderia ser algo relevado, mas infelizmente as coisas não param por aí.

O hitbox do jogo é imprevisível. Isso fica bem claro no momento que deveria sé o ápice do jogo, as batalhas contra chefes. Experimentei algumas situações bizarras, do tipo onde alguns ataques atravessam objetos inteiros. Você receber dano de um ataque mesmo estando a vários metros de distância do chefe. Ou o ataque parar em um objeto, mas você receber o dano se estiver próximo.

Isso torna a batalha contra chefes extremamente difíceis, mas pelos motivos errados. Era muito estressante você não saber se o ataque poderia ou não te acertar. Acabava com qualquer possível estratégia de combate.

Uma forma de contornar isso é jogando com outro player no modo cooperativo. Sim, o jogo também oferece um modo cooperativo online ou local. Eu só pude testar a versão online, que também sofre de problemas. Várias tentativas de conexão falhavam. Quando conseguia, automataticamente ocorria a queda de frames. E para piorar, havia um delay nos golpes. Você acertava três golpes e 1~2 segundos depois seu inimigo recebia o hit. Dizem que esses problemas não ocorrem no modo local, mas, novamente, não tive como testar.

Opinião

Hellpoint tem tudo que um fã de Dark Souls aprecia. É desafiador, possui uma atmosfera incrível, e aquele jeitinho peculiar de se contar uma história. Sem dúvidas, vale dar uma conferida caso você goste do gênero.

Mas os problemas técnicos acabaram por tirar muito do potencial do que o jogo poderia oferecer. Não chega a ser injogável, mas você vai se estressar mais do que deveria.

Entenda nossas notas.


 

Compartilhar.

About Author

Aficionado pela cultura geek. Se o cinema é a sétima arte, os games são a oitava. Entrou no mundo dos consoles no NES e desde então vem acompanhando a geração dos games até o Xbox One. Caçador de indies, nas horas vagas tenta ser biólogo.

Powered by keepvid themefull earn money