fbpx
Xbox Game Pass Ultimate: Inscreva-se por R$1

O gênero Sandbox é um dos mais usados no mundo dos games, afinal GTA trouxe uma nova visão para esse tipo de jogo. Inclusive, todos que vieram após ele, foram considerados clones, devido a grande quebra de paradigma feita pela série. Mas alguns jogos conseguiram sair da sua sombra, trazendo algum diferencial para se destacar. Esse foi o caso de Destroy All Humans que atraiu um bom público na época, ao unir um gameplay interessante e cheio de bom humor. Esse ano houve o lançamento do remake, que recebeu algumas melhorias e a inclusão de alguns conteúdos inéditos.

Será que Destroy All Humans! Remake conseguiu atender aos quesitos de jogos dessa geração? Descubra em nossa análise a seguir.

REMASTER OU REMAKE?

Uma das principais dúvidas dos jogadores é se o jogo seria um remaster ou um remake. Por mais que ele seja denominado como remake, na minha opinião é um remaster de luxo. Pois geralmente os remakes criam algo novo, mas que se baseia no material original.

O que temos em Destroy All Humans! Remake é uma adequação dos gráficos para os dias de hoje, além é claro de ajustes finos na jogabilidade e menus, que também foram remodelados, com um design mais amigável, deixando a tela mais limpa.

Crypto está ainda mais engraçado.

Outro ponto interessante é que foi incluído uma nova fase no jogo, mas nada que seja muito impactante ou que faça uma diferença tão significativa.

Um dos maiores problemas são seus Loadings, que para os dias de hoje continuam longos. Isso deveria ter sido corrigido, principalmente por o jogo não ser tão pesado, e hoje, quase 20 anos depois, existem recursos para melhorar isso.

HUMOR INTOCAVÉL

Um dos grandes medos que eu tinha, era se manteriam as falas tão ácidas quanto as do original. Afinal, já se passaram mais de 15 anos e o mundo está bem mudado, não aceitando alguns tipos de piada, e gerando algumas polêmicas.

Mas isso não aconteceu e tudo foi mantido, algo que achei importante, para manter a personalidade do protagonista, que é bem forte. Além, é claro, de tocar em alguns temas, fazendo sátira com os Estados Unidos dos anos 50.

A história continua muito boa, com uma boa quantidade de missões para completar, e diálogos extremamente hilários. A duração da campanha também é interessante, principalmente se o jogador completar os desafios e coletar os colecionáveis.

DIVERSÃO GARANTIDA

Um dos pontos mais positivos de Destroy All Humans é a sua jogabilidade divertida, que prende o jogador ao trazer um gameplay prazeroso e cheio de recursos. Além de poder se locomover pela cenário a pé, Crypto pode usar patins para chegar a seus objetivos rapidamente, ou utilizar um Jetpack para sair voando pela cidade.

Além da locomoção ser algo interessante, é nas armas e poderes que vemos o maior potencial do jogo. Além de sondas anais, e telecinese, Crypto pode comandar seres humanos, garantindo boas risadas, com várias missões engraçadíssimas. As armas e os poderes, ao contrário do jogo clássico, podem ser usadas em conjunto, garantindo um gameplay mais fluído, algo que não existia no jogo original, onde isso era um pouco limitado.

Algumas fases mostram uma boa melhoria grafica.

Durante as missões principais, existe a opção de objetivos secundários, que dão uma maior pontuação ao jogador, e isso é importante, pois esses pontos são usados para comprar upgrades para Crypto ou o seu Disco Voador.

Falando em Disco Voador, ele é uma das armas mais interessantes do jogo, cujo poder de destruição é imenso. Com os gráficos de hoje, podemos ter uma maior noção desse poder.

Alguns Loadings são bem demorados.

O número de colecionáveis também aumentou, incluindo artes conceituais e novas skins para o personagem, inclusive com a aparência da obra original.

O desbalanceamento na dificuldade também é algo ruim, pois o jogo segue em um nível considerável, e te coloca contra um Boss final que é bem complicado, quebrando o ritmo da jogatina. Caso não tenha adquirido todos os upgrades, você terá que voltar em algumas fases para melhorar seu poder de fogo. Isso seria legal, se fosse algo natural, mas não foi isso que aconteceu.

SOM E GRÁFICOS

Os gráficos estão bem feitos, e com ótimos efeitos de iluminação, além é claro das texturas que dão mais liga para o jogo. Ainda assim, continua sendo um jogo do passado, que não se esforçou para sair da sua zona de conforto, poderiam ter ousado mais e feito uma reformulação, algo parecido com Mafia, que fez um novo jogo praticamente.

O design dos menus foram refeitos para algo mais moderno.

O som está bem legal, com diversas melhorias nos efeitos, principalmente nas armas e poderes de Crypto, que dão um charme para o jogo. A música continua boa e agradável, garantido boas horas de jogatina, sem enjoar.

Destroy All Humans Remake possui legendas em Português do Brasil, garantido que mais pessoas entendam o humor ácido do jogo e sua história interessante.

OPINIÃO

Destroy All Humans Remake não ousou em alguns pontos, dando a sensação de que poderia ter sido algo maior. Se conformar somente com melhorias gráficas e ajustes técnicos é pensar pequeno, principalmente para quem se denomina como um Remake. Obviamente que os gráficos são bem feitos, com texturas  e iluminação bem construída, logo existe uma grande diferença para o jogo original.

A diversão é o maior chamariz, sendo um jogo que cativa desde os primeiros minutos. Indico para quem deseja se divertir sem compromisso.

Entenda nossas notas


Compartilhar.

About Author

Desenvolvedor Web e Analista de TI, gamer assíduo desde a época do Atari, fã de Metal Gear(menos o Phantom Pain) e Gears of War. Ter a oportunidade de trabalhar um pouco com games é um sonho realizado. Falta só ir para E3!!!

Powered by keepvid themefull earn money