fbpx
Xbox Game Pass Ultimate: Inscreva-se por R$1

Little Nightmares foi o grande jogo de estreia da Tarsier Studios, trazendo um mundo de pesadelos dentro de uma atmosfera sombria, densa e perturbadora. O jogo fez um enorme sucesso no mundo todo, o que deu segurança para que os desenvolvedores expandissem sua criatividade e ambição para um novo título, renovando mais uma vez sua parceria com a Bandai Namco. Little Nightmares II segue com a proposta de ser um jogo de aventura recheado de suspense, combinando puzzles, plataforma e combate dentro de um mundo traiçoeiro, onde o perigo está presente em cada ambiente.

O novo projeto mostra toda a evolução do estúdio, com um mundo mais grandioso, trazendo uma impressionante apresentação audiovisual e uma narrativa ainda mais perturbadora, se tornando um projeto mais equilibrado que o seu antecessor. Confira nossa análise e se aventure por mais detalhes desse mundo enigmático e bizarro.

Um mundo ainda mais bizarro e imprevisível

Assim como o jogo anterior, Little Nightmares II traz uma história onde a capacidade de interpretar os fatos está nas mãos dos jogadores. Não existem diálogos, textos ou cenas explicativas, e dessa forma devemos nos atentar em cada acontecimento e detalhes dos cenários para formar o quebra-cabeça sobre o que pode estar acontecendo naquele mundo extremamente bizarro e lotado de uma atmosfera sombria. O sentimento de não saber o que pode acontecer depois de alguns passos, deixa a aventura ainda mais tensa, e é também o grande charme da série.

O que sabemos é que controlamos um menino chamado Mono, que está preso dentro de um mundo distorcido pelo Zumbido, um tipo de estática que vem de uma alta torre de transmissão e que deixa os seus modadores em uma espécie de transe, bem como cria seres abomináveis. Ao iniciar essa jornada, encontramos a menina Six, a mesma que foi a protagonista do primeiro jogo. Juntos eles deverão juntar forças para tentar entender qual é o tipo de entidade que existe na imponente Torre, e se poderão, de alguma forma, deter o Zumbido ou simplesmente fugir daquele inferno.

Chegar até a Torre não será uma tarefa fácil, pois além de diversas armadilhas maldosas, e dos próprios perigos do local que está em constante destruição, eles ainda terão que encontrar seus moradores, que são criaturas ainda mais distorcidas do que as que encontramos no primeiro jogo, e que também surgem ainda mais perigosas. São seres perturbados, e que trazem temas delicados para a história, mas de uma maneira sútil, de forma que ficamos pensando sobre os assuntos, mesmo que não sejam jogados na sua cara. Isso só destaca o brilhantismo da criação de todo esse universo de Little Nightmares II.

A interação de Six e Mono traz uma dinâmica muito interessante para a trama, pois podemos sentir a conexão entre eles ir aumentando conforme eles vencem os obstáculos. Mono sempre está pronto para ajudar Six, assim como e menina também ajuda o seu companheiro a seguir a jornada ao seu lado. Sem entrar no campo dos spoilers, essa relação é muito bem construída, de forma que oferece um grande peso para acontecimentos importantes dentro da narrativa, tornando o jogo inesquecível, além de ser um prato cheio para fãs de teorias.

Tudo está maior, e mais bem elaborado, o que potencializa nosso sentimento de imersão naquele mundo. Estamos em uma constante busca de qualquer pista possível para entender o que está acontecendo ao redor daquelas crianças, e essa sensação é deliciosa.

Mais possibilidades para encarar essa jornada pelo medo

A ideia da Tarsier com Little Nightmares é nos dar a sensação do quanto nosso personagem é pequeno e vulnerável dentro daquele mundo odioso, e o quanto somos impotentes frente aos desafios que surgem no nosso caminho. Mesmo que na maioria dos casos nós realmente precisemos apenas correr ou nos esconder, o jogo brilha com novas mecânicas para apimentar essa jornada, sem deixar de intensificar o sentimento de pavor nas sequências de perseguição ou reforçar o medo latente quando precisamos nos esconder.

Little Nightmares II mantem seu plano 3D side-scrolling, o que expande e, também dificulta, nossa jornada, pois assim como deixa tudo ainda mais interessante de explorar, também requer mais atenção sobre onde pisar, correr ou se esconder. A câmera também segue fixa, mudando de acordo com o desejo dos desenvolvedores para cada cena.

De uma forma geral, ele se trata de um jogo de plataforma com puzzles que precisamos decifrar para prosseguir. Tudo se torna crucial para definir se o resultado será a vida ou a morte do pequeno Mono. Muito ainda segue aquele velho sistema de tentativa e erro, mas tudo possui um tempo perfeito, nunca nos tirando da imersão total na atmosfera do jogo. Nada é extremamente complicado, o que funciona perfeitamente para nos desafiar na medida certa.

Six é uma nova mecânica de jogabilidade, pois a menina nos ajuda a subir em determinados locais, empurrar objetos, ou ainda nos segura com suas mãozinhas quando precisamos pular distâncias muito grandes. Isso adicionou um recurso cooperativo interessante, e mesmo que seja apenas uma IA, traz um pouco de conforto dentro de um mundo tão solitário. Também existem mecânicas específicas de algum capítulo, como uma lanterna que nos ajuda a vencer os perigos escondidos nas sombras ou ainda um controle remoto que liga e desliga TVs servindo para resolução de outros puzzles interessantes.

Little Nightmares II ainda adiciona uma inesperada mecânica de combate, mas não espere que Mono se transforme em uma máquina de destruir aberrações, pois a ideia é que ele ainda passe aquela sensação de impotência frente aos seus adversários. Ainda assim, existem pontos do jogo onde nos será oferecido algum tipo de arma branca, como um martelo, por exemplo, e teremos que achar o tempo certo para acertar as criaturas e conseguir assim seguir na nossa jornada. Não é um sistema sofisticado para batalhas, e serve mais como peça de um puzzle do que um elemento de ação. Uma boa adição que pode ser ainda mais refinada no futuro.

A campanha é curta, assim como o primeiro jogo, e pode ser fechado entre 5 e 6 horas. Existe um bom fator replay para aqueles que buscam fazer 100% e também catar todos os colecionáveis, que inclusive podem desbloquear um interessante final secreto que coloca mais lenha na fogueira das teorias.

Universo ainda mais amplo e aterrorizante

Todo o design do mundo criado pela Tarsier para Little Nightmares II é impressionante. O jogo segue trazendo aquela sensação de imensidão frente ao protagonista, mas isso está ainda mais grandioso neste segundo jogo. Os cenários mesclam ambientes internos claustrofóbicos, como outros abertos e que utilizam uma bela câmera aberta para reforçar o quanto somos pequenos frente aquele mundo distorcido. Uma sensação de profundidade impressionante.

Cada um dos cinco níveis, possui a sua própria caraterística única, que é explorada com maestria pelo estúdio, seja nos trazendo um sentimento de horror, asco, curiosidade ou tristeza. Cenários cheios de detalhes e pontos de sombras e luz certeiros, que potencializam a sensação de medo. Os personagens e criaturas também são muito bem desenhados, com as crianças passando esse sentimento de impotência com seus corpos franzinos, e as criaturas bizarras mostrando bem seu perigo e decadência.

Eu joguei Little Nightmares II tanto no Xbox Series X, quanto no Xbox One X e em ambos os consoles o desempenho está excelente. Nada de quedas de frames, loadings longos ou texturas que demoram a carregar, o resultado final é limpo e bem apresentado.

Quanto ao som ele segue soberbo, como se fosse um personagem do jogo. Os ruídos dos cenários, do vento batendo nas estruturas, de um objeto que cai no chão… tudo é brilhantemente inserido. A trilha sonora continua impressionante, aumentando ainda mais a qualidade e imersão dessa experiência. Seja em momentos mais calmos, mais agitados ou reveladores, os temas deixam tudo com ainda mais impacto.

Apesar de não existirem diálogos ou documentos, os menus do jogo estão todos em Português do Brasil.

Opinião

Little Nightmares II traz as bases e raízes do seu antecessor, mas expande seu universo se tornando uma obra ainda mais grandiosa. A apresentação audiovisual está ainda mais caprichada, as mecânicas evoluíram e deixaram a jornada mais interessante, e a história segue com seus mistérios, fazendo o jogador ficar vidrado na tela até o último segundo em busca de respostas. Montar todo o quebra-cabeça da trama segue sendo o grande destaque da série, e a Tarsier conseguiu deixar tudo ainda mais imersivo e cheio de momentos impactantes nesse segundo jogo.

Se você é fã de títulos macabros, com uma atmosfera cheia de suspense, uma trama que te deixa montando diversas teorias, e com tudo amarrado com um impecável pacote técnico, Little Nightmares II se trata de um jogo obrigatório para você. Quanto a mim, estou ainda mais fã desse universo, e fiquei ansiosa pelo que pode surgir a seguir com o mundo distorcido e imprevisível de Little Nightmares.

Entenda nossas notas


*Certifique que este é o preço praticado antes de efetuar a compra. Os valores podem variar.

Compartilhar.

About Author

Administradora de Empresas, mas apaixonada pelo mundo dos games e pelo Xbox!Fã da incrível e complexa franquia Halo e de seu icônico líder, o Master Chief. Também apaixonada por Dragon Age e seu universo magnífico. Ahhh e quem disse que Dark Souls não é divertido? :DSempre ligada nas notícias e novidades do lado verde da força!

Powered by keepvid themefull earn money