fbpx
Xbox Game Pass Ultimate: Inscreva-se por R$5

O mercado de jogos desenvolvidos no Brasil segue crescendo, e Hazel Sky é uma interessante proposta criada pelo estúdio Coffee Addict, de Santa Catarina, em parceria com a editora Neon Doctrine. O jogo conta uma história sobre abraçar o destino enquanto se monta máquinas voadoras ou ainda expressa sentimentos com a música. Tudo faz parte de uma jornada cheia de mistérios, puzzles e descobertas.

Hazel Sky oferece uma bela opção para os amantes de jogos contemplativos, mas com boas doses de puzzles para os jogadores também se colocarem dentro da aventura de Shane para chegar cidade voadora de Gideon.

Abrace o seu destino

Em Hazel Sky acompanhamos a jornada de Shane, que está sendo enviado por seu pai para uma ilha remota no qual precisará completar testes para chegar na cidade voadora de Gideon, onde poderá se tornar um engenheiro, continuando a tradição de sua linhagem. O fracasso não é uma opção, pois ele só poderá voltar para sua família, e vida, caso tenha sucesso em sua jornada, do contrário ficará vagando na ilha até sua morte. Essas provas são encaradas por Shane como seu destino, que são uma preparação para que ele esteja apto a assumir o que ele considera um papel honrado.

No entanto, ao chegar lá ele conhece via rádio a misteriosa Erin, que se descreve como uma engenheira estagiária, que também está em busca de completar o seu próprio teste, mas ela não encara todo esse ritual de forma tão romântica, e possui muitos questionamentos que acabam mexendo com as percepções e visão de Shane sobre aquele mundo. Ele também passa a se sentir dividido entre encarar seu destino como engenheiro ou explorar o mundo de forma livre, como Erin sonha em fazer.

É bem interessante como a trama se desenvolve e como as peças começam a se encaixar aos poucos, com pitadas agridoces que indicam que existe algo bem estranho em toda essa tradição para chegar em Gideon. Também gostei de sentir que Shane estava realmente descobrindo seu destino e como ele entra em conflito conforme conversa com Erin. Talvez a adição de mais alguns personagens para interagir com o protagonista, tanto nas ilhas quanto via rádio, pudesse oferecer mais contrastes e deixasse a trama um pouco mais dinâmica de acompanhar.

Simples, mas engenhoso

A jogabilidade de Hazel Sky é bastante simples. O principal objetivo é encontrar o projeto da máquina voadora da área e com as instruções dela construir o veículo e assim partir para a próxima ilha, até conseguir chegar em Gideon. Esse transporte já está quase concluído, nossa tarefa é juntar recursos, ou peças, para torná-lo funcional e assim concluir os testes dos engenheiros. Encontrar esses itens é o grande desafio do jogo, que envolve muita exploração e observação dos cenários, bem como resolução de puzzles bem engenhosos. Nada é tão complexo, mas oferece um ciclo bastante agradável, que combina muito bem com a proposta narrativa.

Outro ponto interessante dessa exploração das ilhas é que também descobrimos mais acerca da história e dos outros que se aventuram ali antes, com algumas informações que mostram que existe muito mais por trás dos rituais dos engenheiros. Os cenários não são muito grandes, então me senti incentivada a explorar cada cantinho em busca de informações sobre aquele mundo, para saber mais das expectativas de Shane acerca dos testes ou sobre os outros que foram ali antes dele e falharam.

O mini game de música foi o que mais curti nessas mecânicas de gameplay. Em alguns locais dos cenários podemos encontrar um violão com alguns notas musicas na tela. Ao explorar os documentos espalhados por aquele ambiente encontramos uma combinação de notas musicais, que ao serem dedilhadas corretamente no violão desbloqueiam músicas que Shane toca e canta. As canções são bem bonitas e gostosas de ouvir, só acho que a voz de quem canta as músicas poderia ser mais parecida com a do protagonista, pois pelo menos na dublagem em português eu senti uma diferença. No entanto, isso não atrapalha em nada a beleza desses momentos.

Além dos puzzles e conserto das máquinas, o gameplay em si envolve investigar e interagir com objetos e documentos, escalar algumas estruturas, agarrar em cordas ou ainda escorregar em determinados trechos. De uma forma geral, esses elementos de jogabilidade funcionam bem, mas existem determinados trechos de escorregada que são um tanto quanto imprecisos, bem como o sistema de balançar nas cordas, que me pareceu difícil de controlar o personagem. Mas nada que atrapalhasse minha experiência.

Gráficos e Som

Os ambientes de Hazel Sky possuem uma boa variedade, pois apesar de estarmos em uma jornada que se passa por ilhas até chegarmos nas alturas de Gideon, o jogo não se prende ao cenário paradisíaco, nos surpreendendo com alguns biomas inesperados, como uma montanha nevada. Os personagens, bem como os ambientes possuem um estilo mais cartunesco, que combina muito com tudo o que está sendo contado na tela. Existem alguns momentos nos quais alguns cenários mais distantes demoram um pouco para carregar, mas nada que atrapalhe a experiência.

A versão que eu joguei no Xbox Series X é a do Xbox One X via retrocompatibilidade, mas de uma forma geral o desempenho foi bom, pois o jogo é otimizado para o One X, rodando assim com 4K e 60FPS. Os problemas que eu encontrei são do próprio título, como botões de ação que desapareciam e me impossibilitavam de seguir adiante em algum ambiente ou puzzle. Pelo menos esses problemas não foram recorrentes.

A trilha sonora é bastante agradável, tanto durante história e exploração, quanto as do mini game de música que trazem belas canções que me fizeram parar e escutar atentamente cada uma delas. As vozes combinam bem com os personagens e entregam uma atuação decente. O estúdio honrou suas raízes e o jogo está totalmente localizado em Português do Brasil, com legendas, dublagem e interface no nosso idioma.

Opinião

Hazel Sky é uma bela criação do estúdio brasileiro Coffee Addict, que contou de forma leve uma trama que possui contornos um tanto quanto sombrios. É interessante acompanhar as descobertas e conflitos de Shane para alcançar o que ele sempre acreditou ser o seu destino. Só acho que a adição de mais personagens, para interagir com o protagonista, poderia enriquecer muito mais a narrativa. Os cenários possuem uma boa diversidade e como não são tão amplos nos convidam a explorá-los.

A curta duração (eu finalizei em uma única jogada) combina bem com a proposta, não deixando o jogo arrastado, mas ainda assim fechando bem sua trama.  A jogabilidade é simples, mas funciona bem. Ainda assim, senti que faltou polimento em algumas mecânicas que não são muito precisas e poderiam ter um controle melhor para o jogador.

Para aqueles que curtem jogos mais narrativos, Hazel Sky é uma boa opção, além disso, o seu valor é um convite não só para mergulhar na experiência, como também mostrar apoio aos desenvolvedores nacionais.

Hazel Sky será lançado amanhã, no dia 20 de Julho, para Xbox One e Xbox Series X.

Comprar Hazel Sky na Microsoft Store

Plataformas: Xbox One e Xbox Series X|S
Publicado por: Neon Doctrine
Desenvolvido por: Coffee Addict Studio
Data de lançamento: 20/07/2022
Opções de compra: Microsoft Store

Compartilhar.

About Author

Administradora de Empresas, mas apaixonada pelo mundo dos games e pelo Xbox!Fã da incrível e complexa franquia Halo e de seu icônico líder, o Master Chief. Também apaixonada por Dragon Age e seu universo magnífico. Ahhh e quem disse que Dark Souls não é divertido? :DSempre ligada nas notícias e novidades do lado verde da força!

Powered by keepvid themefull earn money